Fundação Mamíferos Aquáticos inicia novo projeto de conservação ambiental no Nordeste

Barra de Mamanguape, na Paraíba, foi a região contemplada para abrigar o “Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho”, que atuará nas áreas de pesquisa, tecnologia, sustentabilidade, educação e inclusão social

Estima-se que no litoral brasileiro existam 50 espécies de mamíferos aquáticos. Destas, onze estão sob ameaça de extinção, sendo o peixe-boi marinho uma delas. Numa estratégia de conservação e pesquisa para evitar a extinção do peixe-boi marinho (Trichechus manatus) na região Nordeste do Brasil, a Fundação Mamíferos Aquáticos (FMA) elaborou o Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho. A primeira região contemplada para abrigar o projeto é a Barra de Mamanguape (PB), considerada Área de Proteção Ambiental (APA).

“A Barra de Mamanguape tem uma grande presença de peixes-boi marinhos, por manter atributos ecológicos que asseguram a ocorrência desta espécie. No entanto, percebemos que a região vem passando por mudanças, alterações, influências ligadas a questões antrópicas. Reforçando o compromisso Institucional da FMA com a estratégia de conservação da espécie, concebemos um novo projeto para ser desenvolvido na região. Este projeto foi muito discutido, bastante pensado e tem referenciais de estratégia internacional e nacional para a conservação dos sirênios”, diz João Carlos Gomes Borges, coordenador executivo do projeto e diretor-presidente da FMA.

O Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho – patrocinado pela Petrobras, através do Programa Petrobras Socioambiental e o apoio do Governo Federal – apresenta ações inovadoras que vão além do desenvolvimento de pesquisa e tecnologia, contemplando, também, as esferas da educação ambiental, sustentabilidade, promoção da cidadania e inclusão social. O projeto está dividido em etapas trimestrais com trabalhos que envolvem mapeamento da região, e, neste contexto, a caracterização das áreas de forrageio e dos impactos nos locais de alimentação dos peixes-boi marinhos. Ainda na esfera ambiental, a equipe trabalhará no diagnóstico dos indicadores de contaminação aquática no estuário da Barra do Rio Mamanguape, bem como das principais enfermidades e as causas mortis dos peixes-boi marinho no Estado da Paraíba.

Também estão previstos o apoio e a participação em projetos de pesquisas acadêmicas para ampliação do conhecimento e conservação do peixe-boi marinho, e a disseminação e intercâmbio de conhecimento científico e aprimoramento profissional. Na esfera tecnológica, o projeto desenvolverá e difundirá uma tecnologia inovadora de monitoramento de peixes-boi marinhos, via satélite. A sociedade civil terá participação fundamental no projeto, seja nas oficinas e ações de educação ambiental até as campanhas temáticas de sensibilização e informação sobre o peixe-boi marinho.

Nas esferas de cidadania e inclusão social, o projeto atuará na promoção do desenvolvimento das mulheres da Barra de Mamanguape, por meio de planos estratégicos de fomento a Eco-Oficina Peixe-Boi & Cia – uma ação de cunho socioambiental desenvolvida, desde 1994, pela FMA junto à comunidade local com o objetivo de promover a geração de renda sustentável para mulheres da região a partir da produção de bonecos de pelúcia alusivos ao peixe-boi e outros mamíferos aquáticos.

A Fundação Mamíferos Aquáticos é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que, desde 1989, trabalha com a missão de promover a conservação dos mamíferos aquáticos e seus habitats, visando a sustentabilidade socioambiental.  Atua nacionalmente com atividades que envolvem manejo e pesquisa científica, estudando os efeitos antropogênicos nos recursos marinhos, e com parcerias e ações colaborativas que promovem mudanças socioambientais. Neste contexto, também está inserida no apoio à construção e execução de políticas públicas e marcos regulatórios.