Saiba mais sobre o peixe-boi marinho e contribua para a sua preservação

O peixe-boi marinho é um mamífero aquático da ordem dos Sirênios, da família Trichechidae. Num ambiente saudável e livre de ameaças, ele pode viver de 50 a 60 anos, chegando a ter aproximadamente 4 metros e a pesar em torno de 500 kg. Apesar de todo este peso e do corpo volumoso, ele é herbívoro, se alimenta de algas, capim-agulha, folhas de mangue, entre outras plantas marinhas. É um animal extremamente dócil, mas que não deve ser tocado e nem domesticado pelos seres humanos.


O peixe-boi marinho é uma espécie que tem características peculiares quanto à procriação. Uma fêmea tem uma gestação que dura 13 meses e passa cerca de dois anos amamentando o filhote.  Ou seja, é preciso três a quatro anos para gerar uma nova vida, o que torna ainda mais delicado o trabalho de conservação da espécie.

Neste processo da relação mãe-filhote, é preciso bastante atenção. O ambiente ideal para que a fêmea cuide do filho é aquele que tenha água calma e alimentos ricos em nutrientes que sejam de fácil acesso, ou seja, os estuários e regiões costeiras protegidas. É lá que elas buscam se reproduzir, parir e descansar. Com o comprometimento destas áreas costeiras (em decorrência dos assoreamentos, poluição, entre outros fatores) muitas vezes as fêmeas reproduzem em áreas desprotegidas, o que acaba favorecendo para o encalhe dos filhotes.

Quer ajudar a proteger o peixe-boi marinho? Basta tomar atitudes simples e conscientes:

- Não jogue lixo nas praias, pois o mesmo ocasiona a poluição do mar e estuário, acarretando danos diretos aos peixes-bois marinhos, que acabam confundido o lixo com comida, podendo ficar doentes e até morrer;

- Não construa casas e estabelecimentos em áreas de manguezais, pois é lá que se concentram diversos nutrientes necessários para a alimentação do peixe-boi marinho, sendo ainda o local de reprodução e descanso da espécie;

- Ao utilizar embarcações motorizadas, tenha especial atenção nas áreas de ocorrência da espécie, pois a hélice das embarcações podem ferir os animais;


- Evite ancorar embarcações nas áreas com bancos de corais, fanerógamas marinhas (capim-agulha) e algas-marinhas.


Foto: Luciano Candisani/ Acervo FMA.