Espécie rara de vegetação aquática é encontrada na Paraíba

Durante as atividades de pesquisa do Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho sobre a área de alimentação de animais da espécie Trichechus manatus manatus na Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape, pesquisadores da Fundação Mamíferos Aquáticos (FMA) e da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) fizeram uma descoberta importante para a área científica brasileira. As biólogas Maria Elisa Pitanga e Karine Magalhães identificaram na região a presença de uma planta que há anos vinha sendo considerada extinta no Brasil: a angiosperma marinha Halophila baillonis, espécie potencial para alimentação do peixe-boi marinho. O artigo desenvolvido pelas biólogas, com participação do médico veterinário e diretor-presidente da FMA, João Carlos Gomes Borges, acaba de ser publicado nos Anais da Academia Brasileira de Ciências (www.abc.org.br).



A pesquisa fez parte da atividade de “Mapeamento, caracterização das áreas de forrageio (fanerógamas marinhas e macroalgas) e dos impactos nos locais de alimentação dos peixes-bois marinhos” do Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho – uma estratégia de conservação e pesquisa da FMA para evitar a extinção desta espécie no Nordeste do Brasil. A bióloga Maria Elisa Pitanga, coordenadora técnica do Projeto, enfatiza a importância da descoberta: “Um estudo publicado recentemente divulgou um quadro de status de conservação das espécies de angiospermas marinhas no mundo, e boa parte das espécies citadas apresentam um grau de vulnerabilidade devido a ações antrópicas que os ecossistemas vem sofrendo ao longo de décadas. Quando fizemos esta descoberta referente à Halophila baillonis na Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape, ficamos muito felizes. Para quem trabalha com pesquisa e, no nosso caso, quem estuda os ecossistemas de angiospermas marinhas, foi uma grande descoberta, porque esta espécie era considerada até extinta do litoral brasileiro”.

A bióloga destaca ainda a relevância da região pesquisada e de estudos como o proposto pelo Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho. “A APA da Barra do Rio Mamanguape apresenta características ecológicas que propiciam a existência de inúmeras espécies da fauna e da flora, algumas até ameaçadas de extinção, como é o caso das angiospermas marinhas. É importante realizar estudos de mapeamento dessa vegetação ao longo do litoral do Brasil, realizando um monitoramento do desenvolvimento destas plantas e levantando as causas que vem proporcionando a perda de áreas destes ecossistemas, visando contribuir no direcionamento de esforços para a conservação destas espécies, que são umas das principais fontes de alimento para o peixe-boi marinho”, explica Maria Elisa.

A pesquisadora Karine Magalhães há anos estuda as angiospermas marinhas e se mostra otimista com o resultado da pesquisa na APA da Barra do Rio Mamanguape. “A descoberta desta população irá atrair ainda mais atenção aos ecossistemas aquáticos e a estas plantas que fornecem diversos serviços ambientais, como é o caso de ser alimento do peixe-boi marinho. Para o meio acadêmico, em especial para os pesquisadores da área, a notícia é excelente já que confirma a existência de mais uma população desta espécie, pois hoje só há 10 ou 11 ao redor do globo. Para o Brasil o fato é muito mais significativo, já que se considerava esta espécie como extinta, havia apenas dois registros com mais de 30 anos de plantas soltas, e não populações da espécie. Este fato reforça a necessidade de mais pesquisas na área e, principalmente, servirá para aumentarmos os esforços de proteção a áreas como a APA da Barra do Rio Mamanguape, já que a mesma abriga uma das poucas populações desta espécie rara”, explica Karine.


A coordenadora científica do Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho e também diretora vice-presidente da FMA, Jociery Vergara-Parente, ressalta a importância da publicação científica e das parcerias com pesquisadores das universidades. A publicação deste artigo é mais um dos produtos que consagra o pleno desenvolvimento do Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho, que caracterizou no resgate das ações técnicas da Fundação Mamíferos Aquáticos voltadas à conservação dos peixes-bois na APA da Barra do Rio Mamanguape. A parceria entre a FMA e a pesquisadora Karine Magalhães é de muitos anos e é sempre um prazer tê-la envolvida em nossos projetos com tamanho empenho. A dedicação e seriedade de toda a equipe envolvida na pesquisa não poderia ter sido melhor coroada, as fanerógamas marinhas são uma importante fonte de alimentação para os peixes-bois e a redescoberta desta espécie em nosso litoral, sem dúvida, é um fato de destaque tanto para nossos mamíferos aquáticos herbívoros, como uma notícia importante para a flora costeira”, afirma Jociery.

Foto 1: Karine Magalhães
Foto 2: Genilson Geraldo/ Acervo FMA
Foto 3: Edson Acioli/ Acervo FMA