Comunidades litorâneas da Paraíba e de Sergipe participam de capacitação para colaborarem com a conservação do peixe-boi-marinho no Nordeste do Brasil

O peixe-boi-marinho (Trichechus manatus) é um mamífero aquático que está em perigo de extinção no Brasil. E isto muito se deve aos impactos ambientais causados pelos seres humanos. Para tentar reverter esta situação, o Projeto Viva o Peixe-Boi-Marinho – realizado pela Fundação Mamíferos Aquáticos em parceria com a Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental -  vem trabalhando estratégias para mobilizar e engajar a sociedade em prol da conservação da espécie e de seus habitats, estimulando atores sociais de comunidades litorâneas a participarem de uma rede de colaboradores na região Nordeste do Brasil. Neste contexto, o Projeto iniciará agora no mês de fevereiro o circuito itinerante do Curso de Formação de Agentes Colaboradores do Peixe-Boi-Marinho pelas localidades onde monitora animais reintroduzidos. A ideia é capacitar pescadores, bombeiros, polícia ambiental, estudantes e profissionais atuantes na área de meio ambiente, entre outros potenciais colaboradores para que eles possam contribuir mais ativamente na conservação do peixe-boi-marinho no litoral nordestino.  No dia 16/02, o curso será realizado em Pirambu (SE) para pescadores e agentes e funcionários da Secretaria de Meio Ambiente do município, e no dia 19/02, o curso será em Cabedelo (PB) para voluntários que atuam na ONG Guajiru. 

Em cada localidade, o conteúdo será ministrado de forma presencial ou não-presencial (esta última utilizando plataformas de tecnologia de comunicação acessíveis) e abordará as seguintes temáticas: Educação Ambiental, levando em consideração o Manual de Boas Práticas em Interação com Mamíferos Aquáticos (ICMBio/CMA, 2019); Ecologia e áreas de uso dos animais; Impactos e Ameaças ao peixe-boi-marinho; Estratégias de monitoramento, incluindo os equipamentos utilizados com tecnologia satelital; além de atividade de Simulação de Encalhe em ambiente natural. Por meio de uma linguagem simples, estas informações e orientações básicas serão compartilhadas para que o colaborador possa ajudar na sensibilização da sociedade e na conservação da espécie e de seu habitat. Os participantes se inteirarão sobre a situação atual do peixe-boi-marinho no Brasil, os aspectos biológicos, ecológicos, status de conservação e principais ameaças à espécie, com foco em três problemáticas mais comuns identificadas nas praias do Nordeste: o MOLESTAMENTO (interações intencionais dos seres humanos que colocam em risco a saúde e a permanência do animal na natureza), o ATROPELAMENTO causado por embarcações motorizadas e o ENCALHE de filhotes. Os colaboradores receberão orientações básicas para serem transmitidas à sociedade sobre como proceder caso alguém encontre um peixe-boi-marinho nas praias, estuários, mar, manguezais e também sobre o que fazer diante de um caso de encalhe.

E a orientação sempre reforçada pela equipe do Projeto é que caso alguém encontre um peixe-boi-marinho, o melhor a fazer é manter distância, respeitando a área de uso do animal, e apenas admirá-lo de longe. Não se deve tocar, nem alimentar e nem fornecer bebida aos animais. Se o peixe-boi estiver em perigo, machucado ou encalhado, a orientação é para entrar em contato com o Projeto Viva o Peixe-Boi-Marinho pelos telefones: (83) 99961-1338/ (83) 99961- 1352 (whatsapp) / (79) 99130-0016 (whatsapp). Para o condutor (a) de embarcações motorizadas (barcos, lanchas, jet skis e afins), a orientação é a seguinte: Antes de acionar o motor, olhe ao redor e verifique se tem peixe-boi-marinho próximo. A hélice em movimento pode machucar e matar o animal. Só ligue o motor se tiver certeza que o animal não está por perto; Se estiver navegando e avistar o animal nas proximidades, reduza a velocidade ou desligue o motor para evitar colisões e atropelamentos.

O Projeto Viva o Peixe-Boi-Marinho – realizado pela ONG Fundação Mamíferos Aquáticos em parceria com a Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental – é uma estratégia de conservação e pesquisa para evitar a extinção da espécie no Nordeste do Brasil. Atua nas áreas de pesquisa, tecnologia de monitoramento via satélite, manejo, educação ambiental, desenvolvimento comunitário, fomento ao turismo eco pedagógico e políticas públicas. Possui uma base executora na Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape (no litoral norte da Paraíba) e também unidades de apoio nos estados de Pernambuco (Recife), Sergipe (Aracaju) e Bahia (Jandaíra). Conta como apoio da APA da Barra do Rio Mamanguape, Arie Manguezais da Foz do Rio Mamanguape, Cepene/ ICMBio e Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Monitoramento Ambiental da Universidade Federal da Paraíba. Para acompanhar as ações e atividades do Projeto, acesse: www.vivaopeixeboimarinho.org e @vivaopeixeboimarinho (fanpage e instagram).