Troca de saberes em Educação Ambiental é tema do 4º Webinar Viva o Peixe-Boi-Marinho

O 4º Webinar Viva o Peixe-Boi-Marinho - Conservação Marinha & Década do Oceano teve como tema “Trocando Saberes Socioambientais” e foi protagonizado por profissionais que atuam na área de Educação Ambiental nas regiões Nordeste, Norte e Sudeste do Brasil.  A iniciativa foi promovida pela Fundação Mamíferos Aquáticos - instituição realizadora do Projeto Viva o Peixe-Boi-Marinho em parceria com a Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental - e pela Rede de Pesquisa e Conservação de Sirênios no Estuário Amazônico (SEA). O encontro aconteceu de forma online, pela plataforma digital Microsoft Teams®️, no dia 13 de maio, das 18h30 às 20h, e teve como objetivo contribuir para o alinhamento e troca de conhecimentos entre instituições. Participaram da troca de experiências o Projeto Viva o Peixe-Boi-Marinho da Fundação Mamíferos Aquáticos, o Grupo de Biologia e Conservação de Mamíferos Aquáticos da Amazônia (BioMA), o Instituto Mamirauá, o Projeto Alfabetização Ecológica Bacia do Rio Paraopeba, o Projeto Ginga do Peixe-boi, a ONG Aquasis e a SEA.

O evento teve início com a apresentação de Daniela Araújo, Coordenadora do Núcleo de Educação Ambiental e Desenvolvimento Comunitário da Fundação Mamíferos Aquáticos. Daniela abordou as ações de Educação Ambiental desenvolvidas pelo Projeto Viva o Peixe-Boi-Marinho, que envolvem a participação comunitária em campanhas de sensibilização em prol da conversação do peixe-boi-marinho e de seu habitat no Nordeste do Brasil e sobre o impacto do lixo nos oceanos. Falou também sobre o trabalho de envolvimento direto e continuado com crianças e adolescentes da APA da Barra do Rio Mamanguape (PB) e do povoado Coqueiro (BA), por meio das oficinas de Agentes Mirins Ambientais e Atletas da Liga Esportista do Peixe-Boi-Marinho, com aulas de reforço escolar, leitura, teoria e práticas de educação ambiental, aos fins de semana. A ação “Viva o Peixe-Boi-Marinho vai às Escolas”, com visitas eco educativas a escolas, localizadas em comunidades litorâneas ao longo da área de atuação do Projeto, bem como as sessões socioambientais do Cine Peixe-Boi em comunidades que não possuem acesso a cinema. Além disso, o projeto também abordou os esforços em prol do fortalecimento do turismo de observação de peixe-boi-marinho na APA da Barra do Rio Mamanguape, atividade esta que tem gerado renda para a comunidade. Hoje a associação local de condutores já conta com 30 participantes.

Na sequência, a mestra Camila de Carvalho apresentou as ações socioeducativas e o conhecimento ecológico tradicional no médio Solimões durante a sua atuação no Instituto Mamirauá. Camila é bióloga, Mestre em Oceanografia Biológica e membro do Grupo de Pesquisa em Mamíferos Aquáticos Amazônicos, do Grupo de Especialistas em Sirênios da IUCN e da Rede de Educação Ambiental Peixe-boi. Em seguida, foi a vez do geógrafo, pedagogo e especialista em Supervisão Escolar Adriano Pontello fazer uma abordagem sobre a alfabetização ecológica. Adriano possui experiência em geografia humana, educação em cidadania, educação ambiental, aprendizagem rural, desenvolvimento florestal, contextualização geográfica e integrou o Projeto Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu e Serra do Cipó.

Já a mestra Danielle Lima apresentou o Projeto Ginga do Peixe-boi, uma proposta delineada pela SEA e FMA, com apoio do Grupo Malta Capoeira, que une educação ambiental e a roda de capoeira em prol da conservação do peixe-boi no estado do Amapá, região Norte do país. Danielle é bióloga, mestra em Biodiversidade Tropical, pesquisadora associada ao Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, membro do Grupo de Pesquisa em Mamíferos Aquáticos Amazônicos e do Grupo de Especialistas em Lontras da IUCN. Participa da Rede de Pesquisa e Conservação de Sirênios no Estuário Amazônico, da Rede de Encalhe e Informação de Mamíferos Aquáticos do Norte e Centro Oeste do Brasil e da Rede de Educação Ambiental Peixe-boi.

O evento também contou com a participação de Dra. Ana Carolina Meirelles, que falou um pouco sobre a experiência na produção de cartilhas e livretos como ferramentas de educação e sensibilização ambiental. Ana Carolina é bióloga, mestra em Bioecologia Aquática e doutora em Ciências Marinhas Tropicais. Atualmente é pesquisadora associada ao Programa de Mamíferos Marinhos da Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos-AQUASIS e do Grupo de Pesquisa em Mamíferos Aquáticos Amazônicos do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. Participa da Rede de Pesquisa e Conservação de Sirênios no Estuário Amazônico (SEA) e do Grupo de especialistas em Sirênios da IUCN.

Já a bióloga Layane Maia trouxe para o webinar a experiência com jogos educativos como ferramenta para sensibilização ambiental. Layane é mestra em Docência em Educação em Ciências e Matemáticas, doutoranda em Saúde e Produção animal e atualmente é pesquisadora do Grupo de Biologia e Conservação de Mamíferos Aquáticos da Amazônia (BioMA).

O Projeto Viva o Peixe-Boi-Marinho - realizado pela Fundação Mamíferos Aquáticos em parceria com a Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental - é uma estratégia de conservação e pesquisa para evitar a extinção desta espécie no Nordeste do Brasil. Atua nas áreas de pesquisa, tecnologia de monitoramento via satélite, manejo, educação ambiental, desenvolvimento comunitário, fomento ao turismo eco pedagógico e políticas públicas. Conta com o apoio do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Monitoramento Ambiental da Universidade Federal da Paraíba.